Pular para o conteúdo principal

Coração denunciador

A boca fala do que está cheio o coração. [Mateus 12:34]


Falar é o mais espiritual dos atos humanos
Nossas palavras nos julgam e nos condenam
A nudez da alma, a maldade e a bondade
A apatia espiritual e a dureza do coração
Tudo se manifesta nas palavras que a boca fala
Estamos condenados a falar e prestar conta
De tudo aquilo que encanta
Seduz e enche o nosso coração


Sim, para o bem e para o mal
Pessoa alguma consegue escapar
Daquilo que ela é no coração


As palavras são filhas dos conteúdos do coração
Assim, onde há ódio no coração, o que sai da boca
É fogo destruidor, cheio de veneno e peçonha
Onde a frieza congelou o coração, o que sai da boca é frieza
Onde a indiferença matou a compaixão
É indiferença e descaso que sai da boca
Onde o desejo de vingança matou o desejo sadio de justiça
A boca não se contém, perde o controle, grita e se vinga
Como quem morde, esfaqueia e esquarteja com palavra
Onde o desprezo secou o tutano da alma
É desprezo que vaza da boca, como lama de um pântano
Onde há amargura, é de amargura que a boca fala
Não pode existir suavidade e respeito
Onde o coração está tomado pela maldade
Nem pode existir palavras de amor, fé e esperança
Onde o coração se encontra fervilhando de ódio


Somos por fora o que somos por dentro
E não podemos escapar do que está cheio o nosso coração
Onde as trevas venceram a luz e o sal perdeu o sabor
Não tem como ser luz do mundo e sal da terra


Sei disso não de ouvir falar, mas porque já feri - e me feri
Com olhares cheios de desdém e palavras cruéis e impensadas
Felizmente, antes que eu incendiasse o mundo todo
Com as minhas palavras indomáveis
Porque o meu coração sempre foi indomável
Deus veio em meu socorro e o Espírito Santo
Dia após dia, todo dia, doma a selvageria de milha alma
Pacientemente, me ensinado a arte de renovar a minha mente
Enchendo-a com a leveza, a suavidade e a altura da mente de Cristo
Hoje, pela misericórdia de Deus, penso mais antes de falar e de escrever
Aprendi e continuo aprendendo... E isso me alegra o coração
Que as boas palavras, as palavras sadias, aquelas que ao invés
De derrubar pontes, criam pontes de vida e comunhão entre as pessoas
São as palavras que nascem do silêncio e da reflexão sadia
E não as palavras que saem furiosas, gritadas, impensadas
Do fundo de um coração sombrio e emocionalmente descontrolado


Engana-se quem pensa que o diálogo resolve tudo
O que pode resolver “tudo”
É o modo como se fala
A hora que se fala
O jeito como se fala
Sim, mais do que as palavras
É o modo como a pessoa – que resolve “tudo”
Toda fala que não respeita a fala do outro
Não fala nada, não diz nada
É só barulho de quem não consegue 
Se calar e ouvir - para compreender
Não é o puro ato de falar que nos aproxima
É o respeito que demonstramos ao falar
É a esperança que despertamos
É a fé que semeamos
É o suave brilho do olhar
Em consonância direta
Com a suavidade das palavras


O silêncio de uma mão
Estendida com sinceridade
Amor, paciência e boa intenção
Aproxima mais as pessoas
Do que dez mil palavras
Gritadas em forma de desabafo


O objetivo da fala, não é semear a guerra
Mas a paz e a confiança entre os homens
Por isso, as palavras brandas
São mais efetivas e bem-vindas
Do que um confuso amontoado de gritos furiosos
E olhares indignados e descontrolados


Sim, com efeito, em qualquer tempo
O silêncio da fala e da escrita
É preferível a toda palavra tola
Que acirra velhas inimizades
E faz sangrar feridas antigas


Quem não tem disposição de coração e fé em Deus
Para passar por cima do orgulho
E estender a mão e perdoar
Pelo menos, como um favor a si mesmo
Deveria saber a hora de se calar


Por sua vez, a reflexão sadia é igualmente
Preferível a toda palavra precipitada
Que agrava pecados e doenças da alma


Sim, em qualquer situação e lugar
O silêncio reflexivo
É muito melhor do que toda palavra
Que condena, humilha, fere e ofende


Enfim, seja como for, não existe estado de espírito
Que as palavras não denunciam
De tudo que existe no coração
Nada permanece oculto para sempre
Falar é se revelar... 
Sim, falar é se desnudar espiritualmente
Diante de quem nos escuta e nos vê
Falar é se deixar ver, por dentro


Às vezes - tantas vezes - um ato falho da fala
Sem querer, revela e fala mais sobre nós
Do que a premeditação de um discurso inteiro


Para o bem e para o mal, tudo que nós somos
A história inteira dos nossos traumas emocionais
Está contida no modo como nós falamos
A tolice e a sabedoria de uma pessoa
Se revela – ou se esconde – no poder de suas palavras
Quem tem ouvidos para ouvir, nos discerne num instante


Nossa mágoa, nossa alegria e os nossos arrependimentos
Nossa humildade e a nossa arrogância
A nossa fraqueza emocional e o nosso vigor espiritual
Nossa raiva e a nossa necessidade de perdão
Nossa coragem e os nossos medos
Nossa fé, nossa esperança e as nossas dúvidas
O desprezo que damos e o desprezo que recebemos
A nossa solidão, os nossos vazios e a nossa necessidade de amor
Do mais profundo ao mais superficial, do mais dramático ao mais vulgar
Os dramas, os pecados, as nossas lutas e as nossas derrotas secretas
Aquilo que a pessoa realmente é, ou deseja ser..., ou já foi e deixou de ser
Tudo, absolutamente tudo, que acontece dentro de nós, sem exceção
Num momento ou noutro, de um modo ou de outro
As nossas palavras denunciam, nos fazendo calar precipitadamente
Envergonhados e tristes, embora, sempre tarde demais...
Sim, falar é o mais espiritual – e denunciador – de todos os atos humanos
_VBMello

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A fama é reles… [Boris Pasternak]

Vida de comunhão com Deus

A autêntica vida de comunhão com Deus
Não é aquela que nos alegra Momentaneamente, casualmente Em razão de uma circunstância feliz qualquer

É aquela que ultrapassa as circunstâncias E vai muito além das coincidências felizes E Penetra com fogo e poder de Deus As entranhas da nossa vida... E nos acompanha  Em todas as nossas lutas e afazeres No campo, na montanha ou na cidade E adentra pelas portas do nosso ser e chega Ao lugar mais profundo da nossa existência Onde demônio ou homem algum Consegue chegar, ver ou ouvir O lugar em nós, onde a nossa vida Se resolve apenas entre nós e Deus E nos envolve com as doces consolações do Espírito Aplaca as nossas dúvidas e faz parar as nossas ansiedades E diz ao nosso coração aflito e faminto Que Deus, o Todo Poderoso, é o nosso Pai Celestial E nos alegra sempre - e para sempre Pois ao invés de atuar num momento apenas Atua poderosamente, todo dia, o dia todo, sem cessar Na transformação espiritual de todo o nosso ser Limpando a lama do mundo
Removendo as escorias da exi…

Orar sem cessar...

Amar sem cessar
E orar sem cessar
Uma coisa anda
Junto com a outra
E no evangelho
A falta de uma
Invalida as duas...
_VBMello

Roger Scruton Roger Scruton - Por que a beleza importa?

Num mundo em franca decadência de todos os valores (É o Brasil!), onde - oh, meu Deus! - criança toca homem nu, e isso passa por arte, onde - que horror - todo tipo de bizarrice, feiura, incitação à pornografia e estímulo a zoofilia e pedofilia, igualmente - cada vez mais - deseja (nos seus quinze minutos de fama), passar por arte, não faz mal algum - para quem ainda tem ouvidos para ouvir -, ouvir o que Roger Scruton tem a dizer sobre a verdadeira natureza da Arte e a importância da Beleza na construção de um mundo melhor e espiritualmente mais agradável e saudável. Afinal, é necessário colocar um pouco de ordem nesse caos que nos ronda e ameaça... _VBMello



RECEBA ATUALIZAÇÕES:


Delivered by FeedBurner

Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração...

Ao cair da noite, diante de Deus Longe das acusações dos homens Examino o meu coração O Espírito sonda a minha alma A minha alma estremece E as minhas pernas vacilam Não tenho do que me vangloriar Não tenho o que dizer a meu favor Este é só mais um dia Em que eu fiquei tão longe De ser o que deveria ser

Não tenho bravatas espirituais Para contar ou testemunhar O meu testemunho Testemunha contra mim A minha história é a história Das minhas quedas e tentativas Então eu penso: O que seria de mim Se não fosse a graça de Deus?

Leonard Ravenhill - Pregador, com tudo que possuis, adquire unção.

Na igreja moderna, a reunião de oração é uma espécie de Cinderela. Essa serva do Senhor é desprezada e desdenhada porque não se adorna com as pérolas do intelectualismo, nem se veste com as sedas da Filosofia; nem se acha ataviada com o diadema da Psicologia. Mas se apresenta com a roupagem simples da sinceridade e da humildade, e por isso não tem receio de se ajoelhar.

O “mal” da oração é que ela não se acha necessariamente associada a grandes façanhas mentais. (Não quero dizer, porém, que se confunda com preguiça mental). A oração só exige um requisito: a espiritualidade. Ninguém precisa ser espiritual para pregar, isto é, a preparação e pregação de um sermão perfeito segundo as regras da homilética e com exatidão exegética, não requer espiritualidade.

Qualquer um que possua boa memória, vasto conhecimento, forte personalidade, vontade, autoconfiança e uma boa biblioteca pode pregar em qualquer púlpito hoje em dia. E uma pregação dessas pode sensibilizar as pessoas; mas a oração move …

Espírito Santo – Espírito de Deus

Envias o teu Espírito..., e assim renovas a face da terra. [Salmo 104:30] - - - O Espírito é livre Nós sabemos que ele Se move com poder
Mas não podemos prever A direção do seu mover
Nós somos as sementes Ele é a chuva que vivifica E faz brotar a semente
Tudo que podemos fazer É nos mover com ele Quando ele se move
Somos a folha caída, ele é o vento Que nos levanta e nos leva por caminhos Que jamais poderíamos trilhar por nossa conta...

* * * 
No princípio, quando tudo começou, quando tudo era abismo e escuridão, sobre a terra sem forma e vazia, ele se movia. E acima de tudo que pairava, comunicava vida, beleza, forma, sentido e alegria...

Do mesmo modo, com o mesmo poder e graça, em todas as épocas, do começo ao fim dos tempos, acima da natureza tenebrosa do coração humano, o Espírito paira como uma reconfortante brisa que acalma as tempestades da alma, um sol que brilha e ilumina a escuridão do coração, uma chuva mansa e desejável, graça que absolve, alegra e faz florir os desertos dessa nossa v…