Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2017

Espírito Santo – Espírito de Deus

Envias o teu Espírito..., e assim renovas a face da terra. [Salmo 104:30] - - - O Espírito é livre Nós sabemos que ele Se move com poder
Mas não podemos prever A direção do seu mover
Nós somos as sementes Ele é a chuva que vivifica E faz brotar a semente
Tudo que podemos fazer É nos mover com ele Quando ele se move
Somos a folha caída, ele é o vento Que nos levanta e nos leva por caminhos Que jamais poderíamos trilhar por nossa conta...

* * * 
No princípio, quando tudo começou, quando tudo era abismo e escuridão, sobre a terra sem forma e vazia, ele se movia. E acima de tudo que pairava, comunicava vida, beleza, forma, sentido e alegria...

Do mesmo modo, com o mesmo poder e graça, em todas as épocas, do começo ao fim dos tempos, acima da natureza tenebrosa do coração humano, o Espírito paira como uma reconfortante brisa que acalma as tempestades da alma, um sol que brilha e ilumina a escuridão do coração, uma chuva mansa e desejável, graça que absolve, alegra e faz florir os desertos dessa nossa v…

A miséria da condição humana

Para poder viver inteiro neste mundo O ser humano necessita reconhecer As suas faltas, quedas e pecados


Precisa aceitar o perdão de Deus E deve compreender que tudo É favor imerecido


Todos pecaram e carecem Da graça de Deus Essa é a nossa realidade Essa é a nossa condição Cristo é a nossa salvação


Quem não compreende Nem aceita essa verdade Não conhece nada sobre Deus Desconhece o próprio coração Vive iludido pela vaidade Não amadurece espiritualmente E jamais cresce na fé


Parvo, cego, surdo e miserável espiritual Incapaz de discernir e excessivamente lento Para aprender as coisas do Espírito de Deus


Dizendo-se sábio Mas confundindo as coisas Sem experiência na prática da justiça E débil no ensino da verdade  Necessitando sempre que alguém Lhe ensine os princípios elementares Da palavra de Deus Todavia, ainda assim Incapaz de ace

Admirável mundo novo

Imagem
Seminal, insaciável, faminto, artificial Que admirável mundo novo! A ilusão não tem fim O vazio nunca enche A vida não para A cidade não dorme Dia e noite, o tempo todo A corrida nunca cessa


O movimento é constante A ansiedade é contínua A chaga nunca sara As conquistas são fugazes Ó tempos, ó costumes! Tudo que é sólido desmancha no ar Tudo vive, mas nada convive Não há mais certezas eternas Tudo é relativo... Tudo é incerto


Como nos dias de Sodoma Nas praças e ruas de Gomorra Os tempos se confundem As loucuras se misturam O pecado se alastra A consciência se cauteriza O coração endurece
Os passos vacilam Incapaz de suportar tanto peso E a alma trinca e desaba Como uma casa construída Sobre um areal no fim do mundo


E o espírito do homem agoniza E sofre o fardo insuportável De um tempo de agonia e colapsos E perece sob a amargura Desses dias de cegueira moral