Pesquisar este blog

4 de julho de 2017

Sou peregrino na terra...













Sou peregrino na terra; não escondas de mim os teus mandamentos. [Sl 119:19]

*

Alguns dizem 
Que nada 
Acontece 
Por acaso


Outros dizem 
Que tudo é fruto 
De algum tipo de acaso
Até a origem da vida


Indiferente a tudo isso, a vida segue...


Perplexos e desanimados
Diante das incertezas do mundo
Muitos se deixam levar
Pela operação do erro
Crendo em mentiras
Vivem a vida desesperados
Prisioneiros de ideias e gurus
Que afirmam possuir conhecimento
Poder, carisma e unção espiritual
Capaz de manipular as cartas marcadas
Desse cruel e infeliz jogo de azar
Que tão precipitadamente
Chamamos de nossa vida


Na tentativa de dar um xeque-mate definitivo no destino
Mergulham fundo no lado sombrio da existência
E lidam com a vida a partir de energias, poderes
Encantamentos, barganhas e magias espirituais


Entretanto, apesar de tanta magia
Deus não joga dados com ninguém
E tragédias continuam acontecendo


Aviões continuam caindo
Prédios continuam pegando fogo
O sábio e o tolo morrem igualmente
A corrupção continua se alastrando
Os maus continuam sorrindo
Os oportunistas continuam se dando bem
E as doenças não perguntam
Se uma pessoa é crente ou não
O que acontece ao seu colega ateu
Pode acontecer a você também


Ninguém está livre de coisa alguma
Santo ou pecador, não importa
O sol nasce igualmente para todos
E o infortúnio não poupa ninguém


Não existe ninguém no mundo
Quem não leve na face
A marca de uma grande perda


Nos caminhos dessa nossa vida corrida
Tudo envolve algum tipo de probabilidade
E nada é 100% certo
Tudo que pode acontecer
Também pode não acontecer


Amores que não acontecem
Sonhos que morrem
Amizades que se perdem
Esperanças que se desesperam
A vida é cheia de não acontecimentos


Sim, nas coisas do mundo
Não há certezas absolutas
O que pode dar certo
Também pode dar errado


Batalhas são vencidas por um golpe de sorte
Guerras são perdias por uma intromissão do azar
E mesmo a morte, no momento derradeiro
Como uma fera arrastando a presa nos dentes, falha
E aquele que dávamos por morto, escapa e renasce
Fatalidade, sorte, azar, acaso ou o que for
A verdade é que a vida anda tropeçando 
Em muitas surpresas..., nem sempre boas


De qualquer forma
Se a vida é sorte ou azar
Para mim, tanto faz
Definitivamente
Uma vida baseada
Em ideias de sorte e azar
Não me interessa mesmo


Pela fé, dia após dia, vou vivendo como posso
Os dramas que a existência – sem cessar
Me oferece - porque a vida é breve
Tentando colocar a minha alma
Um instante acima da sorte e do azar
Esforçando-me para viver as dores e aflições
Que atropelam a minha existência
Para louvor da glória de Deus


Sim, pela fé, pois não há outro modo de seguir
Sigo pelo estreito caminho dos salmistas
Não me iludo, nem me deslumbro com coisa alguma
Sei que para a maioria de nós - gente simples e comum
A vida está mais para as orações sem resposta do salmo 22
Do que para os campos verdejantes do salmo 23


Fora das paredes dos templos
Esquecidos das nossas orações
Jogados em prisões escuras e mortais
Milhares, sem remorsos ou murmurações
Sabem na própria carne e alma
Que viver e caminhar por fé
É viver torturado, humilhado
Ameaçado, sofrendo e morrendo 
Todo dia, sem cessar, por amor de Cristo


Seja como for, não me impressiono com montanhas
Elevo os meus olhos para Deus e sigo caminhando
Enquanto estiver neste mundo – que jaz no Maligno
Aceito os riscos e as perdas da arte de viver por fé
Se não aceitasse..., não poderia viver
Melhor - acho - seria morrer..., ou sumir


Todo dia, eu vivo – ou tento viver
Um passo além do desespero
Ainda que perplexo e atribulado
Porque acredito honestamente
Que além dos desdobramentos incertos
Desse mundo criado por homens e governado
Pelos ditames impessoais da sorte e do azar
Existe outro mundo... Um mundo de fé
Onde nada, favores, pavores, sorte ou azar
É como aqui... Um mundo onde tudo
É salvação, justiça e graça de Deus


Sim, sou peregrino nesse mundo que jaz no Maligno
Fisicamente sujeitos a todas as suas aflições
E limitados pelas suas leis e incertezas
Mas interiormente, na alma
Onde a minha vida se resolve
Somente entre eu e Deus
Não vivo segundo as regras
Desse mundo que jaz no Maligno
Vivo sob a lei do amor
Da esperança e da fé em Deus


Com efeito, no fundo do peito
Onde a vida é somente entre nós e Deus
Podemos viver sob a lei de outro mundo
Um mundo muito mais elevado e pleno 
Um reino glorioso e celestial
Onde aquele que chora
Encontra consolação
E o puro e limpo de coração
Se encontra face a face com Deus
Um mundo onde a sorte, o acaso
O azar e as incertezas dominantes
Desse caído mundo dos homens
Não tem vez nem lugar
O mundo eterno de Deus


Sim, estrangeiros e peregrinos na terra
Mas cidadãos do reino de Deus
Filhos e família de Deus
Sofremos pacientemente
A nossa conta de aflições
Caindo e levantando
Lutando como podemos
Para manter o bom ânimo
Olhando sempre para Deus
Autor e consumador da nossa salvação
E recebendo tudo que nos acontece
A sorte e o azar, o acaso, o sol e a chuva
A felicidade e o infortúnio, a vida e a morte
Com espírito de gratidão e coração simples
Olhando nos olhos, a face dura da realidade
Sem fugas, superstições ou murmurações
Aprendendo com cada revés e perda
A arte de estar satisfeito com Deus
Em toda e qualquer circunstância da vida...
_VBMello   
- - - - - - - - -
RECEBA AS NOSSAS ATUALIZAÇÕES - ENTRE COM SEU EMAIL:


Delivered by FeedBurner

RECEBA AS NOSSAS ATUALIZAÇÕES:

Delivered by FeedBurner