Pular para o conteúdo principal

Sobre a Brevidade da Vida [Sêneca]








A maior parte dos mortais, Paulino, queixa-se da malevolência da Natureza, porque estamos destinados a um momento da eternidade, e, segundo eles, o espaço de tempo que nos foi dado corre tão veloz e rápido, de forma que, à exceção de muito poucos, a vida abandonaria a todos em meio aos preparativos mesmos para a vida. E não é somente a multidão e a turba insensata que se lamenta deste mal considerado universal: a mesma impressão provocou queixas também de homens ilustres.


Daí o protesto do maior dos médicos: "A vida é breve, longa, a arte."' Daí o litígio (de nenhuma forma apropriado a um homem sábio) que Aristóteles teve com a Natureza: "aos animais, ela concedeu tanto tempo de vida, que eles sobrevivem por cinco ou dez gerações; ao homem, nascido para tantos e tão grandes feitos, está estabelecido um limite muito mais próximo." Não é curto o tempo que temos, mas dele muito perdemos. 


A vida é suficientemente longa e com generosidade nos foi dada, para a realização das maiores coisas, se a empregamos bem. Mas, quando ela se esvai no luxo e na indiferença, quando não a empregamos em nada de bom, então, finalmente constrangidos pela fatalidade, sentimos que ela já passou por nós sem que tivéssemos percebido.


O fato é o seguinte: não recebemos uma vida breve, mas a fazemos, nem somos dela carentes, mas esbanjadores. Tal como abundantes e régios recursos, quando caem nas mãos de um mau senhor, dissipam-se num momento, enquanto que, por pequenos que sejam, se são confiados a um bom guarda, crescem pelo uso, assim também nossa vida se estende por muito tempo, para aquele que sabe dela bem dispor...


... a vida, se souberes utilizá-la, é longa. Mas uma avareza insaciável apossa-se de, um de outro, uma laboriosa dedicação a atividades inúteis, um embriaga-se de vinho, outro entorpece-se na inatividade; a este, uma ambição sempre dependente das opiniões alheias o esgota, um incontido desejo de comerciar leva aquele a percorrer todas as terras e todos os mares, na esperança de lucro; a paixão pelos assuntos militares atormenta alguns, sempre preocupados com perigos alheios ou inquietos com seus próprios; há os que, por uma servidão voluntária, se desgastam numa ingrata solicitude a seus superiores; a busca da beleza de um outro ou o cuidado com sua própria ocupa a muitos; a maioria, que não persegue nenhum objetivo fixo, é atirada a novos desígnios por uma vaga e inconstante leviandade, desgostando-se com isso; alguns não definiram para onde dirigir sua vida, e o destino surpreende-os esgotados e bocejantes, de tal forma que não duvido ser verdadeiro o que disse, à maneira de oráculo, o maior dos poetas: "Pequena é a parte da vida que vivemos." Pois todo o restante não é vida, mas tempo. 


Os vícios atacam-nos, e rodeiam-nos de todos os lados e não permitem que nos reergamos, nem que os olhos se voltem para discernir a verdade,mantendo-os submersos, pregados às paixões. Nunca é permitido às suas vítimas voltar a si: se por acaso acontecer de encontrarem alguma trégua, ainda assim, tal como no fundo do mar, no qual, mesmo após a tempestade, ainda há agitação, eles ainda assim são o joguete das paixões, e nenhum repouso lhes é concedido. 


Pensas que falo daqueles cujos vícios são declarados? Vê aqueles cuja fortuna faz acorrer a multidão: são sufocados pelos seus bens. A quantos as riquezas não são um peso! Quantos não verteram seu sangue por causa de sua eloquência e da presteza diária com que exibiam seus talentos! Quantos não estão pálidos por causa de seus contínuos prazeres!


A quantos a vasta multidão de clientes não dá nenhuma liberdade! Passa os olhos por todos, desde os mais pequenos até os mais poderosos: este advoga, aquele assiste, um é acusado, outro defende, e um outro ainda julga - ninguém reivindica nada para si, todos consomem mutuamente suas vidas. 


Pergunta por aqueles cujos nomes se aprendem de cor e verás que eles são identificados pelas características seguintes: este é servidor daquele, que o é de um outro - ninguém pertence a si próprio. 


E, portanto, é o cúmulo da insensatez, a indignação de alguns: queixam-se do desdém de seus superiores, porque estes não tiveram tempo de ir ter com eles quando o desejavam. Quem ousará queixar-se da soberba de um outro, quando ele mesmo não tem um momento livre para si próprio? E aquele, contudo, apesar de seu aspecto insolente, olhou-te uma vez com consideração, sem saber quem eras, prestou atenção às tuas palavras e mesmo recebeu-te junto de si; tu não te dignaste a considerar nem a ti mesmo. Portanto não há razão para pedires contas de teus favores a quem quer que seja, uma vez que, quando os fizeste, não desejavas estar com um outro, mas não podias estar contigo...


...Quantos não terão esbanjado tua vida, sem que percebesses o que estavas perdendo; o quanto de tua vida não subtraíram sofrimentos desnecessários, tolos contentamentos, ávidas paixões, inúteis conversações, e quão pouco não te restou do que era teu! Compreendes que morres prematuramente." Qual é, pois, o motivo? Vivestes como se fósseis viver para sempre, nunca vos ocorreu que sois frágeis, não notais quanto tempo já passou; vós o perdeis, como se ele fosse farto e abundante, ao passo que aquele mesmo dia que é dado ao serviço de outro homem ou outra coisa seja o último. 


Como mortais, vos aterrorizais de tudo, mas desejais tudo como se fôsseis imortais. Ouvirás muitos dizerem: "Aos cinquenta anos me refugiarei no ócio, aos sessenta estarei livre de meus encargos." E que fiador tens de uma vida tão longa? E quem garantirá que tudo irá conforme planejas? Não te envergonhas de reservar para ti apenas as sobras da vida e destinar à meditação somente a idade que Já não serve mais para nada? Quão tarde começas a viver, quando já é hora de deixar de fazê-lo. Que negligência tão louca a dos mortais, de adiar para o quinquagésimo ou sexagésimo ano os prudentes juízos, e a partir deste ponto, ao qual poucos chegaram, querer começar a viver!  
- - -
Lúcio Aneu Sêneca  [4ª a.C – 65] 

Postagens mais visitadas deste blog

A luta minha de cada dia

No redemoinho da vida No vai e vem do mundo No eterno retorno da tentação Na contínua batalha do coração
Todo dia / a minha fé é provada
Todo dia / preciso perdoar E ser perdoado
Todo dia / preciso recomeçar
Todo dia / um leão ruge ao derredor
Todo dia / estremeço
Todo dia / permaneço de pé diante da provação
Todo dia sou ferido e curado
Todo dia / preciso enxugar as lágrimas E recobrar entusiasmo perdido
Os dias são maus E o mundo jaz no Maligno
Todo dia / o tempo todo Preciso de um pouco mais  Da luz de Deus Para sobreviver de pé No meio das trevas desse mundo
Todo dia / anunciando o fim dos dias Um estrondo rompe o silêncio E se faz ecoar dentro do meu peito A minha alma se agita

Novos rumores se espalham Ansioso e preocupado O mundo geme e chora Novas guerras despontam no horizonte Anunciando o fim 
Que marcará 
O recomeço de todas as coisas
Todo dia Preciso trazer ao coração Aquilo que pode me dar esperança
É preciso remir o tempo É preciso andar com cuidado

Não existe razão para ter medo...

No silêncio da nossa dor Que ninguém mais vê Que ninguém mais sente Porque ninguém tem tempo Ou porque já perdeu a alma E se tornou completamente Incapaz de um pouco de compaixão Apesar da sensação de solidão Não existe razão para ter medo

Sob a brutal sensação de abandono A verdade simples e absoluta É que nunca estamos sozinhos Consolando, restaurando Soprando fôlego de vida O Espírito vive nas profundezas Do nosso ser, animando E vivificando o nosso coração

No lugar mais profundo E inacessível da nossa alma Onde demônio algum chega E as perseguições humanas Não tem poder ou autoridade Onde Deus é tudo em nós Sabemos que apesar das imensas Loucuras e incertezas deste mundo Que sofre nas mãos do Maligno O Espírito testifica ao nosso espírito Que somos filhos de Deus

Notas sobre fé e sofrimento...

O sofrimento está no mundo Nós estamos no mundo E entre nós e o sofrimento Há encontros difíceis de evitar

Como uma sombra incansável Escondido sob muitas faces O sofrimento nos persegue Nos alcança e nos fere

Do berço ao túmulo, ele nos ameaça Lutamos a vida inteira contra ele Vencê-lo é a nossa meta

Mas se não tiver amor, nada serei...

Fé sem amor, não tem valor Para ter valor, é preciso ter amor Porque o amor indica Comunhão, proximidade Entrega, confiança Fidelidade e reciprocidade Enfim, relacionamento

Portanto, fé é isso, um fruto maduro Que só colhe abundantemente Quem se relaciona com Deus
E dele não se afasta na dor
Nem o deixa de lado
Nos dias de alegria


Não, fé não é algo que acontece De qualquer maneira Da noite para o dia É a experiência sagrada De uma vida inteira

É uma semente cultivada e regada Ao longo de uma existência autêntica Não é uma arma espiritual Que se pode sacar eficazmente Num momento de emergência

É o fruto de um relacionamento Um compromisso com a verdade Um matrimônio com a justiça Uma força impregnada de amor Que guia e norteia a vida toda

É a certeza de que -  sem amor Por mais que eu fale de fé Em qualquer circunstância Eu nada serei, além de um som Que se perder no ar, vazio de sentido... _VBMello

Francamente, esse Jesus é um estraga-prazeres!

O perdão cristão encontra momentos particularmente tocantes no Novo Testamento. Meu preferido é a história da adúltera (João 8). Uma mulher foi surpreendida em adultério. Foi flagrante, não há escusas. Havia testemunhas. Se o jogo de palavras não fosse excessivo, até poderíamos dizer que foi com a “boca na botija”. Alvoroço total na comunidade. Que delícia encontrar um bode expiatório. Uma mulher que se entregou por desejo e amor a um homem que não era seu marido. Um ser humano que buscou felicidade fora da regra. Todos aqueles que desejaram isso ano após ano e não tiveram nem oportunidade e nem coragem, agora apontavam o dedo furiosos, e felizes. Ela ousou, ela fez, ela deve pagar. A lei é clara: apedrejamento.
Matar com pedras é uma morte simbólica. Permite a todos atirarem parte da sua raiva na pessoa que se desviou. Um enforcamento só dá esse prazer ao carrasco. Guilhotinar é mecânico. Fuzilar é quase asséptico. Apedrejar é que é gostoso. Posso, pedra após pedra, ir vencendo o mal …

Consolai-vos uns aos outros...

Se por um lado  Nós não podemos Evitar o sofrimento Podemos, pelo menos Evitar aumentá-lo

A finalidade do sofrimento, se existe uma É unir as pessoas, e não as separar A união diminui o sofrimento A comunhão anima o espírito A amizade fortalece os propósitos Pessoas que não se unem no sofrimento Não se unem em momento algum...

Vida de comunhão com Deus

A autêntica vida de comunhão com Deus Não é aquela que nos alegra Momentaneamente, casualmente Em razão de uma circunstância feliz qualquer

É aquela que ultrapassa as circunstâncias E vai muito além das coincidências felizes E Penetra com fogo e poder de Deus As entranhas da nossa vida... E nos acompanha  Em todas as nossas lutas e afazeres No campo, na montanha ou na cidade E adentra pelas portas do nosso ser e chega Ao lugar mais profundo da nossa existência Onde demônio ou homem algum Consegue chegar, ver ou ouvir O lugar em nós, onde a nossa vida Se resolve apenas entre nós e Deus E nos envolve com as doces consolações do Espírito Aplaca as nossas dúvidas e faz parar as nossas ansiedades E diz ao nosso coração aflito e faminto Que Deus, o Todo Poderoso, é o nosso Pai Celestial E nos alegra sempre - e para sempre Pois ao invés de atuar num momento apenas Atua poderosamente, todo dia, o dia todo, sem cessar Na transformação espiritual de todo o nosso ser Limpando a lama do mundo
Removendo as escorias da exi…

Bem-aventurados os humildes

A humildade é o centro do coração O ponto de equilíbrio da alma
O fundamento da honra
E a beleza de espírito De quem permanece sempre Em todo lugar, sem cessar De joelhos diante de Deus


Humildade é um permanente estado de espírito Um modo agradável de ser e viver É a nossa saúde espiritual A nossa bem-aventurança O selo que garante que o nosso coração Não é uma pedra morta dentro de nós Mas que permanece vivo e capaz de amar a Deus E amar o nosso próximo, seja ele quem for


Humildade e temor do Senhor São riquezas, honra e vida Nos domínios do reino de Deus Nada é conquistado sem humildade No caminho que leva a Deus Para quem imagina poder andar Sem fé, pureza e humildade Cada passo, é um passo para trás

Oração para os dias tristes