Pular para o conteúdo principal

Bem-aventurados os misericordiosos

A misericórdia exige um olhar puro. Onde existe espírito de julgamento e condenação. Onde a pessoa “non grata” é olhada - superficialmente - a partir de um momento infeliz de sua vida, e não a partir da plenitude da sua existência e possibilidades, a misericórdia não tem nenhuma oportunidade de acontecer. Num ambiente crivado de críticas e julgamentos, só o caos floresce. Só a escuridão frutifica.



É muito fácil apontar o dedo e falar o que vem na boca. É mais fácil ainda - isso acontece o tempo todo - chamar a nossa opinião de verdade. Portanto, se desejamos “fazer” alguma justiça, precisamos primeiro abrir mão das nossas manias e facilidades de julgamento. Precisamos abrir mão das nossas (supostas) verdades. Deus nos pede isso. Cristo nos pede isso. (Somos cristãos?). O Espírito de vida, verdade e justiça, insistentemente, nos pede isso. 



Julgar e condenar é próprio do velho homem, que não conhece a Deus. Amar é próprio do novo homem. Antes de abrirmos a boca para falarmos isso ou aquilo de alguma pessoa – ou de um grupo de pessoas – importa-nos nascer de novo. Importa se demorar diante do espelho da própria consciência. A verdade é que - antes de se enxergar - ninguém enxerga o outro. E quem se enxerga, não julga ninguém. Por razões óbvias.



Para sermos misericordiosos, precisamos nos desfazer do espírito de crítica, julgamento e condenação. Precisamos descer do pedestal da nossa suposta superioridade moral. Precisamos olhar com amor – afinal é o amor, caso alguém tenha se esquecido, que nos torna reconhecíveis como seguidores de Cristo. Aquele que não ama não conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece coisa alguma. Aquele que não ama é arrogante, orgulhoso e só pensa em si. Na linguagem do Apocalipse de João, é cego, surdo, pobre, nu e miserável.



Saber alguma coisa sobre a vida de uma pessoa, não é conhecê-la. Conhecer alguém exige mais do que ouvir boatos. As pessoas só podem ser conhecidas pela via do amor. Tal conhecimento só é possível a quem se coloca no lugar do outro. Para conhecer o outro não basta olhar de longe. É preciso se aproximar, ouvir a sua história e se colocar no lugar dele. É preciso ser misericordioso. A misericórdia abre o nosso coração para a “verdade verdadeira”, muda o nosso olhar e desfaz os nossos julgamentos precipitados.



Compreendemos melhor quando abrimos mão da nossa tendência de julgar. Compreendemos melhor o comportamento e as palavras das pessoas que amamos. Por isso, o mandamento de Deus não faz rodeio e vai direto ao cerne da questão: Amar a todos igualmente, inclusive os inimigos. Porque quem ama – esse é o dom da misericórdia -, compreende a sina do outro. Pode não concordar com ele, mas o compreende... E ao invés de julgar, oferece a sorte de uma nova oportunidade de recomeçar a vida.



Quem julga e condena impõe ao outro algo de seu. Deste modo, a verdade sobre a nossa (rápida) tendência para julgar o outro, fala mais sobre nós do que sobre a pessoa que criticamos, julgamos e condenamos. As nossas críticas, julgamentos, implicâncias e "verdades", revelam os nossos preconceitos, intolerâncias, neuroses, traumas e dificuldades de lidar com o que não é parecido com nós. Revelam o quanto nós ainda somos infantis e limitados. Revelam a céu claro, para quem tem olhos para ver e ouvidos para ouvir, a atrofia da nossa consciência e a angústia - quase escrevi hipocrisia - da nossa alma.



Assim, esvaziar-se completamente dos nossos preconceitos é o caminho para uma vida de misericórdia, e também um passo muito importante para começarmos a olhar para nós mesmos, e, quem sabe, nos tornarmos pessoas melhores. Com efeito, o espírito de misericórdia sempre nos transforma em pessoas melhores, mais conscientes, mais justas e menos infantis...



É isso. Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles sabem que não são melhores do que ninguém e reconhecem que igualmente precisam da misericórdia de Deus e dos seus irmãos de humanidade.
_VBMello

Postagens mais visitadas deste blog

A fama é reles… [Boris Pasternak]

Vida de comunhão com Deus

A autêntica vida de comunhão com Deus
Não é aquela que nos alegra Momentaneamente, casualmente Em razão de uma circunstância feliz qualquer

É aquela que ultrapassa as circunstâncias E vai muito além das coincidências felizes E Penetra com fogo e poder de Deus As entranhas da nossa vida... E nos acompanha  Em todas as nossas lutas e afazeres No campo, na montanha ou na cidade E adentra pelas portas do nosso ser e chega Ao lugar mais profundo da nossa existência Onde demônio ou homem algum Consegue chegar, ver ou ouvir O lugar em nós, onde a nossa vida Se resolve apenas entre nós e Deus E nos envolve com as doces consolações do Espírito Aplaca as nossas dúvidas e faz parar as nossas ansiedades E diz ao nosso coração aflito e faminto Que Deus, o Todo Poderoso, é o nosso Pai Celestial E nos alegra sempre - e para sempre Pois ao invés de atuar num momento apenas Atua poderosamente, todo dia, o dia todo, sem cessar Na transformação espiritual de todo o nosso ser Limpando a lama do mundo
Removendo as escorias da exi…

Orar sem cessar...

Amar sem cessar
E orar sem cessar
Uma coisa anda
Junto com a outra
E no evangelho
A falta de uma
Invalida as duas...
_VBMello

Roger Scruton Roger Scruton - Por que a beleza importa?

Num mundo em franca decadência de todos os valores (É o Brasil!), onde - oh, meu Deus! - criança toca homem nu, e isso passa por arte, onde - que horror - todo tipo de bizarrice, feiura, incitação à pornografia e estímulo a zoofilia e pedofilia, igualmente - cada vez mais - deseja (nos seus quinze minutos de fama), passar por arte, não faz mal algum - para quem ainda tem ouvidos para ouvir -, ouvir o que Roger Scruton tem a dizer sobre a verdadeira natureza da Arte e a importância da Beleza na construção de um mundo melhor e espiritualmente mais agradável e saudável. Afinal, é necessário colocar um pouco de ordem nesse caos que nos ronda e ameaça... _VBMello



RECEBA ATUALIZAÇÕES:


Delivered by FeedBurner

Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração...

Ao cair da noite, diante de Deus Longe das acusações dos homens Examino o meu coração O Espírito sonda a minha alma A minha alma estremece E as minhas pernas vacilam Não tenho do que me vangloriar Não tenho o que dizer a meu favor Este é só mais um dia Em que eu fiquei tão longe De ser o que deveria ser

Não tenho bravatas espirituais Para contar ou testemunhar O meu testemunho Testemunha contra mim A minha história é a história Das minhas quedas e tentativas Então eu penso: O que seria de mim Se não fosse a graça de Deus?

Leonard Ravenhill - Pregador, com tudo que possuis, adquire unção.

Na igreja moderna, a reunião de oração é uma espécie de Cinderela. Essa serva do Senhor é desprezada e desdenhada porque não se adorna com as pérolas do intelectualismo, nem se veste com as sedas da Filosofia; nem se acha ataviada com o diadema da Psicologia. Mas se apresenta com a roupagem simples da sinceridade e da humildade, e por isso não tem receio de se ajoelhar.

O “mal” da oração é que ela não se acha necessariamente associada a grandes façanhas mentais. (Não quero dizer, porém, que se confunda com preguiça mental). A oração só exige um requisito: a espiritualidade. Ninguém precisa ser espiritual para pregar, isto é, a preparação e pregação de um sermão perfeito segundo as regras da homilética e com exatidão exegética, não requer espiritualidade.

Qualquer um que possua boa memória, vasto conhecimento, forte personalidade, vontade, autoconfiança e uma boa biblioteca pode pregar em qualquer púlpito hoje em dia. E uma pregação dessas pode sensibilizar as pessoas; mas a oração move …

Espírito Santo – Espírito de Deus

Envias o teu Espírito..., e assim renovas a face da terra. [Salmo 104:30] - - - O Espírito é livre Nós sabemos que ele Se move com poder
Mas não podemos prever A direção do seu mover
Nós somos as sementes Ele é a chuva que vivifica E faz brotar a semente
Tudo que podemos fazer É nos mover com ele Quando ele se move
Somos a folha caída, ele é o vento Que nos levanta e nos leva por caminhos Que jamais poderíamos trilhar por nossa conta...

* * * 
No princípio, quando tudo começou, quando tudo era abismo e escuridão, sobre a terra sem forma e vazia, ele se movia. E acima de tudo que pairava, comunicava vida, beleza, forma, sentido e alegria...

Do mesmo modo, com o mesmo poder e graça, em todas as épocas, do começo ao fim dos tempos, acima da natureza tenebrosa do coração humano, o Espírito paira como uma reconfortante brisa que acalma as tempestades da alma, um sol que brilha e ilumina a escuridão do coração, uma chuva mansa e desejável, graça que absolve, alegra e faz florir os desertos dessa nossa v…