3 de abril de 2017

Introspecção

















Invejo todos os meus irmãos, sem exceção
Nunca pude renunciar à introspecção
Preciso de silêncio e demorada solidão
Exigências imperativas do meu coração
Dia e noite, o tempo todo, sem cessar
Examinar a mim mesmo
Sondar a minha consciência
Quebrantar o meu espírito
Vasculhar o meu coração
Polir aqui, limpar ali, lapidar acolá
É a minha tentação... a minha ilusão
Ainda assim, a minha verdadeira respiração


Nesse tempo de fugidias esperanças
É tão fácil se desviar e se perder
Engolido pela tempestade
Envolvido pela vaidade
Fustigado pelo desespero
Sem consciência de si
No chão deserto do mundo
É tão fácil cair e nunca mais levantar


Há muitas vozes perdidas no mundo
Muita gente sem introspecção
Que pensa ser o que não é
Muitos sonhos na beira da estrada
Há um ranger de dentes rangendo
No fundo de cada alma enganada


Sob o céu mudo desse mundo
O meu coração perde as forças
E se curva derrotado
Como um preso injustiçado
Que arrasta as suas correntes
Buscando um sol de liberdade
Não tenho morada nessa terra


Correndo pelas ruas inconscientes
Errante, vou pelas estradas  
Dessas cidades labirínticas
Em cada palavra - um convite
Em cada coração - um aperto
Em cada olhar - uma despedida
Sem me demorar em nada
Longe de tudo...  Passo ao largo
Tenho urgência de estar em outro lugar
O caminho que eu caminho
Caminha em mim, e me leva além
Tenho um encontro marcado nas nuvens...
_VBMello