29 de março de 2017

Queria ser poeta




Você não pode imaginar
A minha fé em Deus
Não sei como falar
Me desconcerta
É indizível
Um mistério numinoso
Que sempre me surpreende


Como uma flecha de luz
No meio da noite escura
Suave como uma brisa
Potente como um coice
Ela vem e me acerta
Bem no peito cheio de dúvidas
E me desarranja de uma vez


E eu fico ali, prostrado
Com cara de bobo
Sem saber o que falar
Os joelhos fincados no chão
E os dois braços mirrados
Estendidos para o céu
Pedindo colo a Deus
A alma que nem formigueiro
Formigando de vida
Minando palavras
Pela ferida aberta dos meus lábios
Mas é pouco... Não é suficiente


Queria ser poeta
Queria ter outras palavras
Para saber dizer com beleza
Tudo que eu sinto na alma
O sangue pulsando nas artérias
E o coração gritando no peito escoiceado
Mas não posso... Como poderia?


Algumas coisas
Que Deus faz
São tão inefáveis
Eu sinto o vento soprar
E o coração arder
Mas não tenho nada para dizer, só agradecer
_VBMello