23 de novembro de 2016

Reino de Deus...


Para além da realidade temporal deste mundo, onde nascemos, sonhamos e morremos, existe uma realidade eterna, que nos atrai, nos penetra e nos chama. Uma realidade espiritual superior a todas as formas de cultura, poder e espiritualidade materialista, que no presente século, como uma erva daninha, seduz a alma e corrompe o coração das pessoas. 


Um lugar - e uma condição – completamente inalcançável pelo esforço de ONGs, políticas, religiões e ideologias humanas. Um lugar, onde as formas de poder e espiritualidade que governam e exploram este nosso mundo decadente, não têm qualquer valor, influência ou poder, e a felicidade e as alegrias derivadas da vitória dessas coisas, não fazem qualquer sentido, posto que são parte da mesma estrutura de injustiça que gera e sustenta o atual estado de corrupção do mundo.



Um lugar chamado de reino de Deus, onde as alegrias do coração, são outras. Um lugar onde a ideia de riqueza - em tudo - é oposta às ideias de riqueza deste mundo. Um lugar onde o que tem valor, é o que não tem valor neste mundo: os valores do espírito. Um lugar onde os humildes são exaltados e os poderosos são derrubados.


Sim, um mundo oposto ao nosso mundo decadente, onde não valemos pelo que temos, seja dinheiro, títulos, beleza física, religião, coisas ou poder, mas pela verdade e vida, que, sob a iluminação do Espírito de Deus, sem exibicionismo espiritual e sem falação inútil, aninhamos e cultivamos no silêncio das profundezas do nosso coração, onde – sem cessar – permanecemos diante da presença de Deus, desenvolvendo a nossa própria santidade no ato de reconhecer a sua santidade. Um lugar onde a vida do espírito é o normal da vida das pessoas, e não uma fonte de lucro ou motivo de promoção ou liderança religiosa.


Uma realidade onde todas as máscaras de falsidade caem e as pessoas são vistas a partir daquilo que elas tentam, a todo custo, esconder da vista pública. Sim, um lugar de humilhação para o arrogante e um lugar de exaltação para o humilde. Um lugar onde o corrupto é visto como corrupto e o honesto é visto como honesto. Um lugar sem máscaras.


Crer é compreender, como os profetas e os apóstolos compreenderam, que a vida que vivemos agora, no corpo, não termina na morte, mas se move constantemente na direção dessa realidade incorruptível, mais alta e mais profunda do que tudo que pensamos, imaginamos ou sonhamos, uma realidade puramente espiritual, que ultrapassa, ofusca e vence a realidade da nossa própria morte.


Desde já - esta é a proposta do evangelho -, devemos cultivar nas profundezas do nosso próprio coração, os valores dessa realidade eterna, que Jesus chama de reino de Deus. Pois não se entra nesse reino de vida eterna, pela via do egoísmo e do esforço próprio, mas, unicamente pela via do amor, da fé e da misericórdia, bem como pela pureza de coração, singeleza de alma, bondade nas palavras, compaixão nos gestos, perdão ao agressor e caluniador, e amor ao próximo, mesmo que o próximo seja um inimigo declarado, e também, claro, do desfrute das alegrias que nascem da vitória dessas coisas, pois as vitórias que nos recomendam como cidadãos deste reino de Deus, são todas vitórias do amor contra o ódio...
_VBMello