6 de novembro de 2016

A NOSSA LUTA CONTRA O PECADO - (Um fragmento autobiográfico)



A NOSSA LUTA CONTRA O PECADO
(Um fragmento autobiográfico)


[Texto ideal para dar tédio e fazer dormir]


- - -


Na luta contra o pecado, vocês ainda não resistiram até o ponto de derramar o próprio sangue. [Hebreus 12:4]

*

O que é viver livre do poder do pecado?
É viver dependente da graça de Deus
É negar a si mesmo, sem cessar


Eu, por exemplo, nunca fui manso
Aqui, para falar do pecado
Me perdoem se falo de mim
Da minha própria luta pessoal
Mas se falo de mim, é porque acredito
Que este é o único modo sincero
De compreender a luta contra o pecado
Ou seja, lutando-a você mesmo


Pois bem, eu nunca fui calmo
Nunca fui manso e sereno
A minha vontade é de chutar o balde


Pois bem, como lidar
Com esse temperamento
Sendo um cristão sincero?


Claro, eu poderia dizer
Que eu nasci assim
Que eu sempre fui assim
Que não tem jeito mesmo
Ou então, pior ainda
Poderia fingir que não sou assim
Ansioso, agitado e com uma tendência
Esquisita de não levar desaforo pra casa
Mas isso não funciona comigo
Nunca tive vocação para hipocrisia


Quando me converti, eu era um cão doido
Rosnava e mordia fácil, fácil
Uma vez joguei a minha Bíblia fora
E desisti da luta
Definitivamente, não havia modo
De vencer aquele temperamento infernal


Mas eu não sou de desistir do que começo
Tomei a minha Bíblia de volta
E comecei a lê-la todo dia
Li e reli, uma, duas, várias vezes


Não demorou para que eu notasse
Que do Gênesis até o Apocalipse
A Bíblia estava repleta de gente
Com um temperamento 
Muito pior do que o meu


Diante de Manassés, eu era um santo
Diante de Davi e Salomão, pai e filho
Eu era castíssimo, quase um monge
Diante de Pedro, ou de João, chamado
De filho do trovão, e que depois virou
Apóstolo do amor, eu era duas vezes santo


Demasiadamente me impressionou
A conversão de Saulo de Tarso
Como explicar uma coisa daquelas?


Mas realmente o que me deixou de queixo caído
Foi a transformação que as pessoas sofriam
Ao se aproximarem de Cristo
Pensei comigo: Não sou nenhum gadareno
Talvez haja esperança para mim também


Fui orar e jejuar, mas logo vi que a vitória
Contra a minha natureza pecaminosa
Ia exigir um pouco mais de mim
Ia exigir a minha participação ativa
Não bastava orar e jejuar
Era preciso dizer não ao pecado
Que habitava em mim
Foi então, que a verdadeira luta
Da minha vida começou
Seja como for, me posicionei em Cristo
E comecei a minha longa luta


Mas como lutar? Eu não sabia
E não tinha ninguém para me ensinar
Eu vivia ao lado de um monte de gente
Diariamente derrotada pelo pecado
E que só fazia se arrepender
E que pensava que isso
Era tudo que a vida com Deus
Tinha para oferecer e dar


Acredito que foi nesse ponto
Que o Espírito entrou
Assim que tomei a decisão
As coisas, ainda que lentamente
Começaram a acontecer


Quase posso dizer que tudo
Aconteceu intuitivamente
Quando dei por mim, estava
No meio da guerra contra
A minha natureza pecaminosa
Dizendo um não atrás do outro
Caia mais do que ficava em pé
Mas desistir, isso nem pensar


Me agarrei ao evangelho
E o lia, de cabo a rabo, sem parar
Praticava, para aumentar a fé
Já que a fé vem pelo ouvir


Assim, levado pela graça de Deus
Crendo que a Bíblia é a Palavra de Deus
E que Cristo é o seu Filho
E certo de que o Espírito é o meu ajudador
Sem barganhas e desculpas
De peito aberto para o que desse


Comecei a negar em mim
Os hábitos pecaminosos
Da minha velha natureza
Era preciso matar o velho homem


Recusei a ser como era
Se Pedro mudou, por que, não eu?
Se João, o filho do trovo, mudou
E virou apóstolo do amor
Eu poderia mudar também


Resolvi que não me conformaria
Com os desejos doidos
Do meu coração
Pedi a Deus
Um novo coração
E nisso insisti
Até as fronteiras
Do desespero


Mas o novo coração não nasceu sem dor
Nasceu da leitura do evangelho
E de uma entrega completa a Deus
A vida inteira eu tinha vivido
Na base do oito ou oitenta
Então, mergulhei de cabeça
Sem dia marcado para voltar
À superfície, mergulhei
O mais profundamente
Que consegui...
Larguei amigos
Abandonei lugares
Fugi do mundo
E resisti ao diabo
Claro, choveram criticas
Ao meu novo modo de ser


Busquei parcerias contra o pecado
Colei naqueles que lutavam
A mesma luta que eu
E, acredite, eram poucos


Seja como for, logo estávamos nos ajudando
Lentamente, mas de forma definitiva
Algumas vitórias começaram a acontecer
Mas confesso que cortar o pecado
Que me habitava, doía, e doía muito
Vire e mexe, dava uma vontade danada de desistir


A meu favor, eu tinha a desculpa da depressão
Então, vi que era preciso seguir em frente
Com depressão ou sem depressão
Pois quem quer seguir pelo caminho da vida
Não pode ficar o tempo todo arrumando desculpas
Continuei - e continuo - lutando contra o pecado
E vou continuar até que, sem hipocrisia
A vitória completa se realize e eu desfrute
Da plenitude da minha liberdade em Cristo


O meu modo de lutar, era assim - e ainda é
Se quero gritar, venço o grito
Pela força do silêncio


Se quero quebrar, venço a ira
Pela força da paz


Ao invés de falar palavras rudes
Falo palavras mansas


E assim, pouco a pouco, a poesia
Foi aparecendo no lugar
Da falta de educação
A vontade do Espírito
Surgiu no lugar
Da minha própria vontade


E a bondade de Deus
Pouco a pouco
Ocupa o lugar
Do meu pecado
A luz expulsa as trevas
A Mansidão vence a ira
A humildade vence a arrogância
E a santidade vence o pecado


Portanto, não se iluda
Eu entendo perfeitamente
Quando alguém diz
Transbordando de desculpas
Que não consegue largar
Determinado pecado


Entendo quando a pessoa
Vem com a desculpa esfarrapada
De que somos todos nascidos no pecado
E que dele não podemos escapar jamais


Claro, é verdade que não podemos
Escapar completamente
Da nossa natureza pecaminosa
Mas pela graça de Deus
Nós podemos lutar contra ela
Podemos dizer não ao pecado
E podemos ficar livres do poder dele
Mas isso dói e dói muito
Dói porque envolve
Abandonar as desculpas
E cortar o pecado na própria carne
Dói porque crescer e amadurecer dói mesmo


Sim, eu entendo como, feito criança
A pessoa se arrepende
Do mesmo pecado
Setenta vezes sete
Ou até mais


E, apesar do tempo decorrido
Nunca amadurece espiritualmente
E passa a vida chafurdando
Num ciclo vicioso
De pecado e arrependimento
Ou, se católica, pecado e confissão


Entendo, porque essa é uma luta que dói
Entendo porque essa é a minha luta
E eu levo as feridas dessa luta
Conheço as minhas derrotas
Mas também sei quais
São as minhas vitórias


Sei que muitos não conseguem
Porque mais do que força humana
Isso é coisa que envolve
Esperança e fé em Deus


E sem a ajuda de Deus, nada podemos fazer
Pois, não se iluda, essa é uma luta
Que envolve arrancar fora
O olho que faz pecar
E cortar fora a mão pecadora


Envolve mais do que intenção
Comprometimento da vontade
Envolve luta, paciência e dor
Envolve cair e não ter vergonha
De se levantar e tornar a cair



Envolve jogar fora as máscaras da hipocrisia
E as desculpas infantis e inúteis
Envolve resistir a dor e a tentação
Envolve arrependimento sincero
E confiança absoluta em Deus...
Envolve ajuda dos irmãos de fé
E a compreensão de um bom pastor
Mas, acima de tudo, envolve mostrar
Frutos dignos de arrependimento
É isso, ou permanecer vergonhosamente infantil
Para sempre, para sempre, para sempre...

_VBMello